terça-feira, 4 de janeiro de 2011

POEMA ELAINE


ELAINE

Quando ela passa
Aquele encanto da Elaine
Mulher sorridente cheia de graça
A simplicidade passa a parecer
Uma Flor que esvoaça
Na cidade de São Paulo
A bonita, a alegre, Elaine passa
Recordando seu signo virgem
Sensualidade no olhar
O sorriso é contagiante como vertigem
Da beleza que emprega na poesia
Vê-se que escreve como manda o coração
Dizer de arte naíf se poderia
Elaine, a Barnes
A mulher interessante
Nas suas relações públicas
Usará aquele sorriso atraente
Será como dará o “golpe” final
Que usa sempre, como atracção dominante
Também como mulher
O bonito, o acentuado sorriso
Perpassa nos olhos, que cativam qualquer
Será mulher simples confessa
A musa Elaine
O humanismo professa
É uma mulher, uma flor
Genuína, não uma mera promessa
A mulher atraente, uma flor que passa
Como ave bonita que saltita e palpita
Cheia de graça

Daniel Costa


4 comentários:

  1. Olá!
    Linda homenagem para uma pessoa linda!
    Bjs
    Brasil

    ResponderEliminar
  2. Puxa! Obrigada amigo,voc~e sempre gentil e cavalheiro. Adorei a lembrança e o poema tão cheio de ternura e beleza. Me sinto honrada amigo. DSem palavras pra agradecer. Deixo então um beijão e um montão de abraços corujas

    ResponderEliminar