quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

POEMA MARTA MARIA


MARTA MARIA

Maria era Nossa Senhora
O seu filho Cristo perdoou a outra
Maria, a Madalena, a sedutora
Como o faria a Marta Maria
Se no seu dia a dia fosse pecadora
Vagueia tranquila no grande Porto
Por ali passa ela, a bela
Vai da Ribeira até Foz, como no seu horto
Alguém que vê passar Marta Maria
Repara na mulher bonita
Tranquila mas sofre, quem diria?
Ninguém poderá saber o que se passa
O que vai sua na mente, prosa ou poesia
Na mente versátil, cujo pensamento esvoaça
A emoção, a sensualidade de Marta Maria
A ternura como há na branca rosa
Sua mente muito moderna
Poderá notar-se mais na sua prosa
Como é versátil também aparece na sua poesia
Essa sensualidade com cheiro a rosa
Quem sobe a íngreme Trinta e um de Janeiro
Artéria desde outrora famosa
Poderá encontrar Marta, Marta Maria
A poetiza talvez leve na mente uma nova prosa
E sorri, quem diria?

Daniel Costa

2 comentários:

  1. Daniel, meu amigo!
    Tanto o Poema como a própria Marta Maria se constituem em duas belezas raras.
    Adorei!

    Ah...estou preparando uma surpresinha pra você e outra amiga que também me presenteou com um belo exemplar. Te aviso, pode deixar.

    Fica com saúde e em paz aí na nossa Lisboa amada!!!Bjssss

    ResponderEliminar