quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

POEMA CINCO IRMÃS


Mar da cidade de Peniche, meu Oeste natal

CINCO IRMÃS

Amar mulheres não é ilusão
Convivi com cinco irmãs
Um gosto de sorte e sensação
Apenas mulheres
Na minha descendência foi condão
Se já sou eterno optimista
Vivo satisfeito com esta bênção
A mulher pode sempre contar
Com o meu respeito
Sem sombra de ilusão
A mulher para mim será ternura
Sempre abertura do coração
Será sempre um ser
Como se fora um ser irmão
Ainda conto com um
Sem falar do que morreu, embora são
Uma inteligência
Que se suicidou num dia de Verão
As irmãs morando distantes
A todos se juntam em confraternização
Promovem-se almoços
Onde existe sempre a palavra união
Assim é como amar a mundo
A flor mulher é sempre motivo de satisfação
Amando todo o mundo
É simples amar diferente, só a mulher do coração
A mulher eleita, é deveras amada
A mulher de outra emoção
Cinco irmãs, um gosto
A que se juntam, como fado e condão
As da descendência
O gosto é vivido, não é ilusão

Daniel Costa

2 comentários:

  1. Querido amigo,


    mais um belo poema das suas memórias. Um 2011 maravilhoso pra voce, querido amigo! Beijos com carinho

    ResponderEliminar