terça-feira, 14 de dezembro de 2010

POEMA MARIA JOÃO



MARIA JOÃO

“Chorou na barriga da mãe”
Dito popular que várias vezes escutei
Aconteceu-me ouvir esse choro também
Ouvi sempre proferido
A mencionar a sorte de alguém
Fiquei alertado quando me sucedeu além
Era o meu próprio sangue
Num ser a quem já queria bem
Viria ser a Maria João
É bonita, pois filha, comigo parecida!
A mãe Maria João é um gosto de filha então
Esse nome de uma criatura nascida em Lisboa
Na capital nascer foi um gosto
Gosto o nascimento e o morar em Lisboa
João eram ambos os bisavós
Outros antecedentes tem, o nome não nasceu à toa
A filha é bonita
Deveria ficar com apelido Lisboa
Olhando vetustos bairros
Sonharia com um mais recente, a Madragoa
Para que mais se distinguisse
Das muitas outras da minha e sua Lisboa

Daniel Costa

2 comentários:

  1. Querido amigo,

    um poema lindo , repleto de amor e ternura para quem o merece!


    Carinhoso beijo, Daniel

    ResponderEliminar
  2. O choro é um alívio que trazemos, é um pedido de socorro, outras vezes felicidades de boas vindas pela filha "Maria João"!

    Abraços de um amigo

    ResponderEliminar