quarta-feira, 20 de outubro de 2010

POEMAS UM HOMEM SÓ


LARANJINHA

Não no outro mundo
Mora no Alentejo
A Laranjinha de olhar profundo
Laranjinha meiga e doce
Não no outro mundo
Os seus ternos poemas
Revelam doçura
Advém a tentação
Por vezes dura
Questionar donde vem
Tamanho amor, tanta ternura
Beleza de alma
Beleza plena e segura
Aura de beleza muito sua
Apresenta-se assim
Como o luar da lua
Sorridente na beleza de mulher
No firmamento brilhantes estrelas
Laranjinha é o nome da suave mulher
Um nome bonito
Não se contesta sequer
Contém toda a beleza interior
Toda a beleza da interessante mulher
Admiro a sua poesia
Estimo e admiro aquela mulher

Daniel Costa


4 comentários:

  1. Bom dia adorei o seu bloque
    e este poema também...
    Não sou laranjinha mas sou do Alentejo :)
    Parabéns e muito sol na sua vida

    ResponderEliminar
  2. Amigo,

    amei este poema! Perfeito, Daniel.

    Carinhoso beijo.

    ResponderEliminar
  3. Oi, Daniel.

    Que belo poema, tão suave e meigo.

    Beijos.

    ResponderEliminar