sábado, 30 de outubro de 2010

POEMA MALDADE


MALDADE

“Quem mal não usa
Mal não cuida”
Diz o povo e bem
Ninguém ganha com a maldade
Essa falta de sanidade
Risível a maldade
Flagelo que atravessa a sociedade
Havendo optimismo
Aprende-se sempre com o negativismo
Se ele existe fora o pessimismo
Aparece maldade
Fica a sensação
De quando em vez
Alguém não está sendo são
Aprende-se a lição
Fixa-se o favor
Diz-se não sou eu não
Assobia-se prazenteiro
Desce-se a rua
Na sonhadora madrugada
Da noite crua
Procurando um bem
Afinal arredio
Feliz de quem o detém
Amem

Daniel Costa

Sem comentários:

Enviar um comentário