domingo, 4 de julho de 2010

POEMAS UM HOMEM SÓ


AVENAL

Desafiado pelo Toino Tchim
Um amigão, afinal
Bastantes dias, vinha, cavei
Na quinta do Avenal
Montados nas bicicletas
Íamos pelo Toxofal
Ali na padaria
Na do Carlos padeiro
Ainda madrugada
Adquiríamos o casqueiro
Da primeira fornada
Tomávamos o “mata-bicho"
A manhã despontava
De bom vinho
A velha cornada
Dizia o caseiro:
Quem se negue, não é homem
Não é nada!...
A seguir iniciava-se a jornada
O caseiro estimulava
A cada nova rodada:
Quem se negue não é homem
Não é nada!...
Mais vinho servido na canada
O copo feito de corno de boi
Passara a alvorada

Daniel Costa

1 comentário:

  1. Bela poesia, palavras profundas num tom sublime, tal os sentimentos que ditam este querer!
    Beijo carinhoso

    ResponderEliminar