sexta-feira, 2 de julho de 2010

POEMAS UM HOMEM SÓ


SONHO DE NATAL

Permanente o sonho
Na sua aldeia, persistia
Na ajuda do campo
O menino, do sonho vivia
Acreditava
Que a trazer presentes
De Natal a todos os meninos
Jesus
Pelas chaminés descia
Esse, esse tal sonho
Teimava e resistia
Sonhava todo o santo dia
Tinha acabado a Segunda,
A Segunda Grande Guerra
Na sua bondade
Na humildade do sonho
Sonhava que outra contenda
Mais guerra não haveria
Sonhava e vivia
Da vida, o que se passava
Só da aldeia conhecia
Sonhava, vivia do sonho
Mais longe iria
Um universo mais alargado
Seria ai que cresceria
Veio o frio Natal
Atormentou-o, um pesadelo
Em forma de sonho
Sonhou, que na grande cidade
Onde tudo bonito lhe parecia
De tudo havia, até maldade
O sonho prosseguiria
Tanto de noite, como de dia
Um meio mais elevado
Aprender mais queria
Querer e saber
Uma outra vida, mesmo de luta
Sonhava, desejava, queria
Trabalhar e viver em tranquilidade
Paz como na aldeia se vivia
E o sonho persistia
Passaram alguns Natais
Cumpriu-se o sonho
Os Reis Magos pressagiavam
Sonhos siderais
Como nos seus sonhos divinais!...

Daniel Costa


Sem comentários:

Enviar um comentário