sábado, 7 de agosto de 2010

POEMAS UM HOMEM SÓ


BELEZA E ERUDIÇÃO

Encontrar na natureza
Será difícil não impossível
Juntos erudição e beleza
Sempre a imperfeição
Ainda que seja na realeza
Predicados nesta condição
Visíveis invejas, faltas de gentileza
Porque não
Se tenta antes a pureza?
Saber sempre mais
Seria mais sensato ver na sabedoria, mais beleza
Perseguir a justiça e a verdade
Não seria altruísmo de certeza
Mais verdade
Outra verdade, a singeleza
Nessa dimensão, nessa galáxia
Podemos encontrar beleza
Eis o intróito para falar da Renata
Essa mulher de bela singeleza
Há bastantes mulheres eruditas
Como a bela Renata, a Rê
Bastantes mulheres haverá de certeza
Sei eu, como sabe você
Predicados juntos
Difíceis haver explico porquê
É apenas opinião
Baseada no que se sabe e se lê
A mulher não se eleva
Medita-se nos exemplos já se vê
Sem pretensões, pelo que escrevem
Desnudam-se os corações a quem crê
Como se pensa e escreve
Até um deus menor observa e antevê
Cinéfila como a Renata
Como comenta filmes só a Rê
Multifacetada tradutora
Bastantes livros e documentos traduz
No que é Senhora
Opinião formada por inúmeros factos
De eficaz cooperadora
Da diva, da musa direi
Eis uma mulher bela e sedutora
Chama-se Renata, para os amigos Rê

Daniel Costa

1 comentário: